Siga-nos
Diego Ribas/PxImages

UFC

Ex-campeão do UFC diz que juízes deveriam prestar contas após decisões polêmicas

Neste sábado (16), Max Holloway encara Calvin Kattar na luta principal do UFC Fight Island 7, em Abu Dhabi (EAU), no seu primeiro compromisso depois da controversa derrota para Alexander Volkanovski, em julho do ano passado. Na ocasião, a leitura das papeletas dos juízes, que deu a vitória ao australiano – atual campeão peso-pena (66 kg) do Ultimate – gerou uma polêmica instantânea, já que grande parte da comunidade das lutas enxergou que o havaiano havia feito o suficiente para sair vencedor e, consequentemente recuperar seu título.

O poder que os juízes laterais possuem de decidir o resultado das lutas, e consequentemente o futuro dos atletas, é algo que demanda responsabilidade e, portanto, os responsáveis pela pontuação dos combates deveriam ser cobrados como tal. Pelo menos é o que sugere Michael Bisping, ex-campeão peso-médio (84 kg) do UFC e atual comentarista da organização.

Em seu podcast ‘Believe You Me’, Bisping, que relembrava a polêmica derrota de Max Holloway em seu último compromisso, criticou as constantes decisões polêmicas vistas nos eventos do UFC e sugeriu que os juízes deveriam ser responsabilizados pelas mesmas. De acordo com o ex-lutador inglês, a cada pontuação controversa, o jurado responsável pela mesma deveria prestar contas e explicá-la, como em qualquer outro emprego do mundo.

“Quase todo evento tem uma pontuação bizarra em uma luta. Até quando estou comentando eu já fiquei tipo: ‘Que m*** é essa? Como esse juiz chegou a essa conclusão?’. Eu já disse antes e vou dizer novamente, eles precisam prestar contas. Número um, esses caras estão trabalhando. Eles estão fazendo um trabalho. Eles são pagos! Então, você tem que fazer esse trabalho bem feito. Em qualquer outra situação da vida se você fizer um trabalho de m***, você é demitido”, disparou Bisping, antes de completar.

“Quando eu digo prestar contas, é muito simples. Se tiver uma pontuação bizarra que não faz sentido, ele senta em uma sala com outros dois ou três juízes e você explica o motivo de você ter pontuado aquele round dessa forma, e se você não conseguir dar uma desculpa plausível que seja racional e convincente, então você ou é incompetente ou impreciso, e de qualquer forma você não serve para a p*** do trabalho. É simples assim e eu não entendo por que isso não é implementado”, finalizou.

Vencedor da terceira edição do reality show ‘The Ultimate Fighter’, Michael Bisping construiu longa carreira no UFC, onde foi campeão dos médios entre junho de 2016 e novembro de 2017. Aposentado oficialmente desde 2018, o inglês deixou o esporte com um cartel de 30 vitórias e nove derrotas.

Mais em UFC