Siga-nos
exclusivo!
Acervo Pessoal

Entrevistas

Sparring de Poirier explica polêmico vídeo de treino e critica Covington: “Faltou ética”

A vida de Felipe Douglas virou de cabeça para baixo na última terça-feira (6). O motivo foi o vídeo divulgado por Colby Covington, no qual o brasileiro treina com Dustin Poirier na ‘American Top Team’ e acaba sendo nocauteado pelo top do peso-leve (70 kg) do UFC. Como ‘Buakaw’ estava sem proteção e ‘The Diamond’ devidamente equipado, o ‘bad boy’ do MMA aproveitou a situação para expor o rival. Em entrevista exclusiva à reportagen da Ag. Fight, o paulista analisou o episódio e opinou a respeito dos atletas.

Felipe explicou que, por mais que a filmagem do treino tenha sido divulgada recentemente por Covington, a sessão de sparring com Poirier ocorreu em 2019, para seu duelo contra Max Holloway, válido pelo título interino do peso-leve do UFC. Inclusive, o brasileiro revelou que teve papel importante na preparação de ‘The Diamond’, já que era o responsável por simular o havaiano.

No registro do treino, Poirier comemora o fato de ter nocauteado Felipe, seu parceiro de sparring, mas, ao contrário do que se pode imaginar, o brasileiro esclareceu que o clima entre eles não era pesado. Pelo contrário, o paulista elogiou o comportamento e reputação do americano e o livrou de qualquer culpa no episódio.

“Esse camp foi para o Poirier lutar contra o Holloway. Eu estava fazendo sparring com ele fazia quatro, cinco semanas. Esse foi o último que a gente fez, que eu tomei o knockdown. Para evitar lesões futuras, encerramos os sparrings. O Conan me tirou do treino e o treinador dele veio falar comigo, que acontece, falou da situação. Depois, ele veio falar que estava pensando em ganhar a luta, que não foi nada pessoal, me agradeceu pelos treinos como sempre agradecia e sempre me tratou bem, me cumprimentava na academia”, declarou Felipe, antes de completar.

“Foi questão do calor do momento. A gente não era amigo, mas tinha uma relação tranquila. Ele nunca faltou com respeito comigo e nunca o vi faltar com respeito com ninguém na academia. Sempre estava na dele. Se colocando na pele do Poirier, que está em alta, imaginando lutar pelo cinturão, ele tem um ‘mindset’ diferente. Na academia, ele está concentrado. Vi isso como uma forma dele estar visualizando a luta. Não estava provocando, não foi com a minha pessoa. Foi questão de, talvez, estar dando certo o que ele estava treinando. Ele lutou contra todos, não treinaria com um amador como disse o Covington. A gente se provocava no treino de uma forma amistosa”, frisou o lutador.

Outra situação que chamou a atenção no polêmico vídeo divulgado foi pelo fato de Felipe estar sem o capacete de proteção, ao contrário de Poirier, que o usava normalmente. O brasileiro explicou o motivo de estar sem o equipamento.

“Eu não gosto de usar capacete. Os treinadores ficam no meu pé e, se não me engano, eu comecei o treino de capacete e tirei porque me incomoda muito, dá um nervoso em mim e o treino estava tranquilo. Não era um sparring de um querer matar o outro”, contou.

Se por um lado Felipe elogiou a postura de Poirier, o mesmo não aconteceu com Covington. De acordo com o brasileiro, a atitude do ‘bad boy’ americano confirma a má reputação que o profissional conquistou no MMA. Em seus tempos de ‘American Top Team’, Covington trocou ofensas com Jorge Masvidal, ‘The Diamond’ e atacou até mesmo Joanna Jedrzejczyk. Tais atitudes, levaram o lutador a procurar outra equipe. ‘Buakaw’ revelou que não presenciou os ataques de ‘Chaos’ enquanto estava na academia, mas detalhou que existia um clima estranho entre o ex-campeão interino dos meio-médios do UFC e os demais membros da ATT.

“O Colby não surpreende ninguém com o que esta fazendo. É uma forma dele atingir. Ele foi expulso da ATT por esses motivos e vejo como uma forma infantil dele falar isso. Tive pouco contato com ele, vi poucas vezes. Ele sempre treinava separado e sempre muito rápido. O que eu percebi é que ele não se sentia muito confortável, mas também nunca o vi faltando respeito com ninguém, não provocava, mas ficava sempre no canto dele. Faltou um pouco de ética dele comigo, com o Poirier, com a academia, com os treinadores. Ele passou por cima de várias regras de ética e de respeito. É um cara sem comentários”, concluiu.

Mais em Entrevistas