Siga-nos
Louis Grasse/PxImages

UFC

Sterling evita guerra com Dana White no UFC e critica comportamento de Yan

Se os esportes de combate se baseassem apenas nos resultados, Aljamain Sterling estaria vivendo um momento único e seria adorado pela comunidade do MMA. O motivo é simples, já que o americano possui seis vitórias seguidas e o título do peso-galo (61 kg) do UFC. Entretanto, o campeão da categoria caiu em desgraça com parte do público, justamente, por conta de seu comportamento no polêmico embate contra Petr Yan.

Em março, Sterling enfrentou o russo e destronou o rival via desqualificação. Na ocasião, Yan aplicou uma joelhada ilegal no quarto round e perdeu o título do peso-galo, porque o desafeto não conseguiu permanecer no confronto. Sendo assim, parte dos fãs começou a atacar o atual campeão da categoria nas redes sociais, que demonstrou sua irritação inúmeras vezes. Em entrevista ao site ‘MMA Junkie’, Sterling voltou a criticar seus haters e se defendeu, ao apontar que o errado na história não é ele e sim Yan, que aplicou um golpe proibido. De qualquer forma, o número um da divisão se mostrou aberto para acertar as contas com o inimigo.

“Eu não guardo rancor, mas quando alguém é uma pessoa ruim, eu simplesmente não quero ficar perto. Me baseio em boa energia, boas vibrações. No final, nós vamos lutar. Vamos acertar as contas e seremos capazes de resolver a situação. Se pretendemos ser amigos ou cordiais, faremos isso. Mas não tenho respeito por esse cara. Ele fala muita besteira por algo que ele fez e eu recebo críticas por isso, que é a coisa mais bizarra que eu já vi na minha vida”, reclamou Sterling.

Apesar de concordar com a realização da revanche com Yan, Sterling indicou que gostaria que ela acontecesse em seus termos. Recentemente, Dana White, líder do UFC, declarou que o segundo duelo entre os rivais é a luta a ser feita no peso-galo e indicou que pode acontecer em outubro, em Abu Dhabi (EAU).

Já o campeão sinalizou que sua preferência é que o acerto de contas com o desafeto aconteça, novamente, nos Estados Unidos. Como teme levar a pior se bater de frente com o cartola, assim como Francis Ngannou e Jon Jones, o americano deu um passo atrás e adiantou que pode ceder aos  interesses da companhia.

“Para ser 100% honesto, adoro a data, mas não gosto do local. Principalmente, por causa dos horários que teríamos que lutar. Tive apenas uma das minhas piores performances, talvez não a pior, mas tive alguns problemas. Seria bom lutar em Nova York ou em Las Vegas novamente. Mas lutar no dia 30 de outubro, estou bem com isso”, explicou o campeão do peso-galo, antes de completar.

“Vocês sabem como é dizer não a Dana, então não acho que haja muita negociação aqui. Sendo 100% honesto e transparente, não acho que eles vão me dar a oportunidade de negociar isso. Não estou procurando entrar em uma guerra para irritar Dana. Então, se é isso que eles querem, é isso que eles querem”, concluiu.

Mais em UFC