Siga-nos
Louis Grasse/PxImages

UFC

Rogan defende Nick Diaz e indica que lutador precisava de mais tempo para retornar

O retorno de Nick Diaz ao UFC ainda repercute na comunidade do MMA. No show de número 266, realizado no último sábado (25), em Las Vegas (EUA), o ‘bad boy’ voltou a lutar depois de seis anos afastado, encarou Robbie Lawler, mas acabou nocauteado no terceiro round. Com isso, parte dos fãs e dos demais atletas criticou o veterano por seu desempenho e outra parcela o defendeu. Joe Rogan integra, justamente, o segundo grupo.

Em seu podcast ‘Joe Rogan Experience’, o comentarista do UFC destacou que, devido as circunstâncias, Nick apresentou uma performance satisfatória. Vale lembrar que o ‘bad boy’ atuou pela última vez no MMA em 2015 e, em seu retorno ao esporte, enfrentou Lawler, ex-campeão dos meio-médios (77 kg) da companhia, e até viveu bons momentos na revanche, chegando a aplicar golpes limpos no rival.

Rogan também ressaltou que Nick não deveria ter pressa para lutar em alto nível. De acordo com o comentarista do UFC, como é um veterano, o atleta precisava realizar uma preparação intensa para voltar ao ambiente competitivo e lidar com oponentes renomados. Inclusive, o posicionamento do profissional vai de encontro com o da equipe do ‘bad boy’. Tanto que Jake Shields, amigo e parceiro de treino do irmão mais velho de Nate Diaz, informou que o lutador não estava pronto para o combate e criticou o UFC por forçar seu retorno.

“Meu ponto sobre Diaz é, quando olhei para ele fisicamente, não sei o quanto ele treinou. Quando Nick estava no auge, ele era muito magro, mas é um cara mais velho agora. A questão é, não acho que você pode voltar tão bem depois de seis anos fora do esporte. Provavelmente, você precisa de mais tempo para se preparar. Não sei quanto tempo ele teve para se preparar e o motivo para concordar em lutar em um curto espaço de tempo. Se você está afastado há muito tempo, vai precisar de mais tempo. Estou apenas supondo. Nick não saiu tão mal para um cara que estava fora seis anos. Lawler pressionou, atacou, levou a melhor nas trocas, mas não é como se Nick não tivesse seus momentos. Ele teve”, analisou o comentarista, antes de completar.

“Nick apenas teria que ter muito mais tempo para se preparar para estar pronto para lutar como o velho Nick Diaz que lutou contra Anderson, ‘GSP’, Daley, no Strikeforce. Esse cara era um assassino incrível. Ele ainda pode fazer isso aos 38 anos? Talvez. Ele precisa de tempo. Se seu corpo não está acostumado a essas coisas e não tem treinado tanto quanto estava no auge, se você quiser fazer de novo, ele, provavelmente, pode. É como correr uma maratona. No início, você cansa e não acredita que alguém consiga correr tanto, mas se você fizer isso repetidamente, você melhora. Não acho que ele teve a chance de se recuperar depois de tanto tempo. Para Nick voltar ao seu melhor, precisa de tempo”, concluiu.

Apesar de não ter conquistado o cinturão dos meio-médios do UFC, Nick Diaz, de 38 anos, é um dos atletas mais populares do MMA. O ‘bad boy’ se destacou no esporte na base do jiu-jitsu e do boxe. Em sua carreira, o americano disputou o título interino e linear da categoria contra Carlos Condit e Georges St-Pierre, respectivamente, e perdeu para os rivais por decisão unânime. O veterano possui um cartel profissional de 26 vitórias, dez derrotas, dois ‘no contest’ (luta sem resultado) e triunfos marcantes sobre BJ Penn, Frank Shamrock, Gleison ‘Tibau’ e Robbie Lawler.

Mais em UFC