Siga-nos

Notícias

Rival de brasileiro defende estilo pouco atraente: “Querem ver sangue”

Aljamain Sterling está longe de ser um dos lutadores mais populares do Ultimate. Prova disso é o fato de que, apesar de estar a um combate da disputa do cinturão dos pesos-galos (61 kg), seu próximo compromisso será no card preliminar do UFC 238, no dia 8 de junho. Em entrevista ao programa ‘MMA Junkie Radio’, ‘FunkMaster’ afirmou que não se ressente de ter um estilo pouco amigável aos fãs. Segundo ele, contra Pedro Munhoz, seu próximo adversário, os torcedores podem esperar o mesmo atleta de sempre: correndo poucos riscos e tentando construir uma atuação perfeita.

Sterling, que chegou ao Ultimate em 2014 com status de grande revelação, ainda não conseguiu disputar o título da categoria. Hoje com 29 anos, ele emendou três triunfos consecutivos depois de sofrer o primeiro nocaute de sua carreira, para Marlon Moraes, um ano e meio atrás. Novamente em ascensão, ele prometeu sair incólume da luta contra Munhoz.

“Estas são as semifinais agora. Eu suei muito para estar aqui. Você tem o número 3 e o número 4 da divisão, que estão colocados no mesmo lado da chave. Nós dois vencemos nossas lutas e suamos muito para estar aqui, e agora é ‘o vencedor leva tudo’ – o vencedor ganha a vaga na final, pelo ouro”, falou.

“Foi para isso que eu trabalhei tão duro. Tenho um oponente duro na minha frente, mas uma coisa é certa; eu realmente acredito que sou o melhor peso-galo da divisão, e vou chegar lá e provar isso. Vou conseguir um ‘shutout’ contra Pedro Munhoz”, completou, em referência à situação do beisebol em que um arremessador completa o jogo inteiro sem ceder nenhuma corrida ao adversário.

Sterling disse acreditar que não recebe o prestígio que merece por não ter o estilo emocionante que mais anima os fãs. Ele disse estar acostumado com o tratamento que tem e com o desapreço dos torcedores, embora tenha citado os nomes de Kamaru Usman, campeão dos meio-médios (77 kg), e Colby Covington, ex-campeão interino da mesma categoria, como exemplos de atletas com jogo parecido com o seu e sem tanta rejeição popular.

“Acho que o que eles querem ver é a minha cara estourada e sangrando – querem dar aos ‘fãs just bleed’ o que eles querem”, falou, em referência a uma imagem histórica de um torcedor que apareceu na transmissão do UFC 15, em 1997, com a frase ‘Simplesmente sangrem’ pintada no peito. “Não estou realmente disposto a me obrigar a isso, então vou continuar fazendo as minhas coisas, continuar tranquilo, continuar difícil de ser atingido e continuar a surrar os outros”, disse.

Sterling tem 17 vitórias e três derrotas no Ultimate. Embora tenha conseguido muitas finalizações antes de chegar à maior organização de MMA do mundo, os triunfos pela via rápida escassearam nos últimos tempos. Dos seus últimos cinco resultados positivos, apenas um não foi na decisão dos juízes.

Mais em Notícias