Siga-nos

Notícias

Ngannou torce por evento do UFC na África e cita Nigéria como provável sede

Ngannou busca se juntar a Usman e Adesanya como africano campeão do UFC – Diego Ribas

Com dois campeões nascidos na Nigéria – Kamaru Usman, nos meio-médios (77 kg), e Israel Adesanya, no peso-médio (84 kg) – nas 12 categorias disponíveis no UFC, o protagonismo africano cresce cada vez mais na organização. A ascensão de atletas nascidos na África já desperta especulações sobre um possível investimento do Ultimate no continente, talvez até mesmo com um evento sendo promovido por lá.

Quem compartilha dessa ideia e torce para que ela seja colocada em prática o mais breve possível é o peso-pesado Francis Ngannou. O camaronês – que possui um projeto social em seu país natal, onde fornece para as crianças academia e instalações para ajudá-las a conquistar seus sonhos – projetou, em entrevista ao site ‘MMA Junkie’, que o primeiro evento do UFC na África deve ser promovido na Nigéria, lar dos dois campeões africanos da entidade.

“Por enquanto, eu não sei quando vai ser o evento. Eu acho que vai ser ou na Nigéria ou em Camarões. Mas, por agora, eu diria que na Nigéria, porque a Nigéria tem dois campeões do UFC. Eu acho que se eles forem para a África, eles deveriam honrar esses lutadores e, como eu disse, dois campeões da Nigéria, o que é muito. De sete lutadores (que possuem um cinturão do UFC no masculino atualmente), dois campeões são da Nigéria”, explicou Ngannou.

Recentemente uma publicação de Ngannou em suas redes sociais pode ter estreitado ainda mais a distância entre o Ultimate e o continente africano. Impressionado com o vídeo de um garoto nigeriano demonstrando todo seu talento na manopla, mesmo sem ter as melhores condições de treino, Dana White republicou as imagens em sua conta pessoal no ‘Instagram’ e sinalizou com a possibilidade de construir uma filial do UFC PI (Performance Institute) na África. Assim como na China, essas instalações poderiam ser utilizadas para desenvolver os jovens talentos locais, a fim de ampliar ainda mais a presença e o protagonismo dos atletas africanos na liga.

“Aquilo foi ótimo, como ele postou e disse aquilo (construção de um UFC PI na África). Agora vamos ver o que acontece. Vamos ver como isso caminha. Vai ser incrível. Quer dizer, é por isso que nós temos lutado – para o UFC realmente colocar a África no mapa. Para considerar o fato que a África é parte do UFC também”, ressaltou o camaronês.

Atual número dois no ranking dos pesos-pesados do Ultimate, Francis Ngannou pode, em breve, se juntar a Kamaru Usman e Israel Adesanya na lista de campeões do UFC nascidos na África. O camaronês já teve uma oportunidade de conquistar o cinturão da categoria em 2018, mas acabou derrotado por Stipe Miocic na decisão unânime dos juízes.

Mais em Notícias