Siga-nos
exclusivo!
Diego Ribas/PxImages

Entrevistas

Priscila ‘Pedrita’ se diz injustiçada por colegas de UFC e luta para “reverter o quadro”

Pouco mais de dois meses desde sua última luta, Priscila ‘Pedrita’ Cachoeira volta ao palco do evento de MMA mais famoso do mundo neste sábado (25), para encarar Ji Yeon Kim, pelo card do UFC Vegas 49, e retomar o caminho das vitórias. O rápido retorno ao octógono, como a própria admite, também pode ser visto como uma forma de apagar a má impressão e deixar para trás a repercussão negativa de sua mais recente apresentação, na qual a brasileira viu fãs, especialistas e, até mesmo, colegas de profissão pedirem pela sua demissão.

No dia 11 de dezembro do ano passado, Priscila enfrentou Gillian Robertson no UFC 269. Restando poucos segundos para o fim do primeiro round, a brasileira – ao tentar se desvencilhar de um apertado mata-leão, que terminou decidindo a luta em favor da canadense – enfiou seus dedos nos olhos da adversária em duas oportunidades. A atitude gerou uma enxurrada de críticas à ‘Pedrita’, que foi acusada de ser uma lutadora ‘suja’ e viu sua continuidade no Ultimate ser colocada em xeque. Agora, a peso-mosca (57 kg) quer dar a volta por cima e mostrar que merece outra oportunidade.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight, ‘Pedrita’ reconheceu o erro cometido e prometeu que não irá repeti-lo. A lutadora, no entanto, se defendeu das acusações sobre ter sido uma ação proposital e culpou o ‘instinto de sobrevivência’ pela infração cometida. A carioca ainda admitiu ter se sentido injustiçada pelas críticas, principalmente as provenientes de seus colegas de profissão, que, de acordo com ela, deveriam ter compreendido o que passou naquele momento.

“Eu aceitei essa luta pelo fato de estar vindo de um camp bem intenso. Eu tive só dez dias de repouso depois da última luta. E quando apareceu essa oportunidade de pegar uma menina que ultimamente tem trabalhado mais como striker, eu falei: ‘Acho que é uma ótima possibilidade de reverter o quadro negativo’. É sobre isso, a questão de virar logo esse quadro. Do negativo transformar em positivo rapidamente. Serve como uma forma de consertar as coisas”, explicou Priscila, antes de completar.

“Foi um erro. Um erro que já foi consertado e que não vai se repetir. Já pedi desculpas. Pedi desculpas para ela (Gillian Robertson) também. Então, foi um erro sim. Foi sobrevivência, foi instinto. Por isso o fato de eu ter me sentido injustiçada pelos próprios lutadores. Ainda mais gente que sabe o que é a vida de um lutador. Como diz o Mick Maynard: ‘M*** acontecem’. E acontecem. Quem nunca? É sobre isso, sobre levantar. Sacodir a poeira, dar a volta por cima. Corrigir os erros e voltar, cada vez mais forte”, concluiu.

Além da repercussão negativa dentro da comunidade do MMA, a derrota para Gillian Robertson, em dezembro do ano passado, interrompeu uma sequência de duas vitórias por nocaute de Priscila ‘Pedrita’ no Ultimate. Neste sábado, diante de Ji Yeon Kim, no card do UFC Vegas 49, a brasileira terá a oportunidade de se recuperar dentro e fora do octógono.

Mais em Entrevistas