Siga-nos

Entrevistas

Michel Pereira revela recusa de lutador, lista possíveis rivais e pede vaga no UFC Rio

A vida de Michel Pereira não está fácil nos meio-médios (77 kg) do UFC. Curiosamente, o brasileiro tem mais trabalho fora do octógono, do que dentro dele. Em maio, em Las Vegas (EUA), o brasileiro venceu o quinto combate seguida pela organização e, finalmente, passou a integrar o top-15 da categoria, porém tal status passou a dificultar sua programação. Com fome de luta, o ‘Paraense Voador’ reclama da falta de inciativa dos principais nomes da divisão, mas não perde a esperança de voltar a atuar em seu país natal.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight (clique aqui), Michel não pensou duas vezes e pediu para atuar no UFC 283, no evento de retorno da maior companhia de MMA do mundo ao Brasil, programado para acontecer no dia 21 de janeiro. É bem verdade que o show, que tem como palco a ‘Jeunesse Arena’, no Rio de Janeiro, possui 12 lutas no card, mas o paraense segue na torcida para a empresa escalá-lo para performar na frente de sua família e de seus fãs. A última vez que o brasileiro lutou em casa foi em 2018, quando não integrava a liga.

Anteriormente, o brasileiro viu seu nome ser ligado em duelos contra Neil Magny e Stephen Thompson, mas as negociações não foram para a frente. O primeiro foi escalado pela companhia para encarar Gilbert ‘Durinho’, no UFC Rio, e o segundo, que chegou a aceitar o desafio feito por Michel, nocauteou Kevin Holland, em dezembro. Chateado com a demora para descobrir seu próximo adversário, o atleta questiona a coragem dos integrantes do top-15 dos meio-médios, pois o ignoram. Não satisfeito, o paraense revelou que um dos principais lutadores asiáticos no MMA atual recusou enfrentá-lo.

“Estou treinando, pronto. Se for para lutar no UFC Rio, meus empresários estão em contato com o UFC para ver se fecha, mas está complicado para achar oponente. Os caras estão escolhendo muito com quem vão lutar, aí está essa frescura. Estou esperando a galera do meu ranking se vestir de homem e querer lutar comigo. Os caras estao f***. Eu lutaria com o Li Jingliang, aquele que o Chimaev quase matou. Veio para mim a luta, eu aceitei, voltou para ele e ele não aceitou. Não sei o que esses caras estão pensando, o motivo de não aceitarem lutar comigo”, declarou o lutador.

Se os tops dos meio-médios do UFC evitam mencionar Michel como potencial adversário, o brasileiro, 14º colocado no ranking da divisão, por outro lado, esbanja disposição para protagonizar grandes lutas nela. Sendo assim, o ‘Paraense Voador’, que vive sua melhor fase na carreira, ciente de seu nível de habilidade e confiando em seu potencial, desafia os temidos Colby Covington e Khamzat Chimaev, números dois e três na tabela de classificação da categoria, respectivamente, na tentativa de pegar um atalho de olho no topo do peso, sem esquecer de seu tão sonhado duelo de strikers com Thompson.

“Com o Covington eu lutaria, o Chimaev tenho muita vontade de lutar come ele, porque fala muito, com o Thompson eu luto. Só não luto com o Vicente e com o Durinho. O resto é só vir que estou online e roteando. Eu peço, mas eles não aceitam, ficam de frescura. Quem quiser vir, venha!”, concluiu.

Michel Pereira, de 29 anos, vive grande fase no UFC e é um dos principais representes do Brasil na organização. Na companhia desde 2019, o paraense possui cinco vitórias seguidas e está no 14º lugar no ranking dos meio-médios. Seus principais triunfos foram sobre André Fialho, Khaos Williams, Niko Price e Santiago Ponzinibbio.

Mais em Entrevistas