Siga-nos

Entrevistas

Ex-campeão, Júnior ‘Cigano’ critica forma como foi desligado do UFC: “Artificial”

Após um longo casamento, o relacionamento entre Júnior dos Santos e o UFC acabou. Na maior organização de MMA do mundo desde 2008, ‘Cigano’ não resistiu a sequência de quatro derrotas, sendo todas por nocaute, e acabou cortado. No entanto, engana-se quem pensa que o ex-campeão do peso-pesado se encontra inconformado com a decisão da companhia.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight (veja acima ou clique aqui), ‘Cigano’ informou que já se recompôs do choque inicial e que está animado para aceitar novos desafios. O ex-campeão do peso-pesado confessou que, como os recentes resultados que apresentou no octógono não foram bons, se preparou para o pior, mas, ao mesmo tempo, admitiu que a forma fria como o UFC tratou o quadro lhe surpreendeu.

Apesar do momento de ‘Cigano’ ser desfavorável, o atleta foi um dos lutadores mais temidos do peso-pesado no passado, se tornou o número um da divisão e ficou invicto durante quatro anos. Mesmo com a relação com o UFC se encerrando dessa forma, o brasileiro não possui arrependimentos. De qualquer forma, o ex-campeão garantiu estar preparado para desvincular sua imagem da organização que defendeu por anos.

“Esperando, eu não estava, mas, depois de quatro derrotas, estava meio preocupado. Fiquei surpreso com a reação do UFC, mas, logo depois, soube que o contrato foi desfeito. Eu sou extremamente agradecido com a minha carreira. Minha surpresa foi com a artificialidade da coisa, mas o business funciona assim. Eles acharam que eu não poderia acrescentar mais na empresa e decidiram me dispensar. Não é que fiquei magoado, chateado. Pelo contrário, sou agradecido por tudo que vivi no UFC, mas estou pronto para o próximo passo. Esse capítulo chegou ao fim, mas o Junior ‘Cigano’ continua firme e forte, pronto para novas experiências”, declarou o peso-pesado.

Em relação a Dana White, ‘Cigano’ surpreendeu ao revelar que a relação com o presidente do UFC era diferente da que se imaginava. Constantemente, o cartola elogiava o brasileiro e se referia ao mesmo como um dos lutadores mais educados e fáceis de se trabalhar, porém o ex-campeão do peso-pesado contou que eles não eram tão próximos.

De fato, o posicionamento aparentemente favorável de Dana não garantiu a permanência de ‘Cigano’ no UFC. Vale lembrar que, em um dos nocautes sofridos pelo brasileiro, o cartola indicou que o ex-campeão poderia cogitar a aposentadoria. Como o líder da empresa anunciou que a organização passaria por um quadro de reformulação em seu elenco, ‘Cigano’ temeu pelo pior.

“Com o Dana, tenho anos que não falo. Faz tempo que não conversamos mais. Não sei exatamente o motivo, mas também não interessa. Ele deve ser bastante ocupado. O jeito que aconteceu foi artificial. A declaração que ele deu, que iria liberar alguns atletas, pensei que poderia vir alguma coisa”, concluiu.

Júnior ‘Cigano’ iniciou sua carreira no esporte em 2006 e chegou ao UFC dois anos depois. Pela maior organização de MMA do mundo, o brasileiro disputou 23 lutas, venceu 15 e se tornou campeão do peso-pesado em 2011, quando nocauteou Cain Velasquez no primeiro round. Além de Cain, as maiores vitórias do atleta foram diante de Derrick Lewis, Fabrício Werdum, Frank Mir, Mirko ‘Cro Cop’, Shane Carwin e Stipe Miocic. O profissional encerrou sua passagem pelo Ultimate como o terceiro pesado que mais triunfou na história da companhia.

Mais em Entrevistas