Siga-nos

Entrevistas

‘Boi’ promete nocaute no UFC 263 e prega cautela quanto ao futuro na organização

Em sua quarta aparição no UFC, Carlos ‘Boi’ terá a responsabilidade de abrir o card da edição de número 263. No evento que acontece neste sábado (12), no Arizona (EUA), o brasileiro vai enfrentar Jake Collier em duelo válido pelo peso-pesado e busca conquistar a terceira vitória seguida. Empolgado com a boa fase na maior organização de MMA do mundo, o baiano analisou a luta contra o americano e até revelou sua estratégia.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight (veja acima ou clique aqui), ‘Boi’ mostrou que estudou Collier e mencionou que seus pontos fortes devem causar problemas ao adversário no decorrer do encontro. O duelo entre os lutadores apresenta uma curiosidade.

O brasileiro informou que costuma perder peso para atuar nos pesados, enquanto que o americano já integrou o peso-médio (84 kg). Sendo assim, o baiano indicou que tal diferença será decisiva no embate e prometeu que vai emplacar seu primeiro nocaute no UFC.

“Estou sem lesão, um pouco mais em forma. Estou me sentindo mais forte, mais ágil, mais leve, então tem tudo para dar certo. Ele é um médio, já lutou nos meio-pesados e agora está nos pesados. Um dos pontos que me ajuda é que ele não está acostumado com o peso. Ele vai cansar rápido, tenho certeza que ele não vai aguentar meu ritmo. Começo um pouco frio e aumento conforme os rounds. Ele é o contrário. Pode começar quente, mas não consegue manter o ritmo por muito tempo. Quando ele pisar no freio, é a hora que vou acelerar. Acredito que será um nocaute no segundo round”, apostou o brasileiro.

Apesar de ser conhecido pelo bom nível na trocação, ‘Boi’ segue sem vencer por nocaute no UFC. Pela companhia, o brasileiro se notabilizou pelo elevado volume de golpes que aplica nos oponentes. Inclusive, parte dos fãs cobra do lutador mais poder no octógono.

No entanto, o baiano explicou que não se importa com as críticas e frisou que o importante é vencer, seja por decisão, finalização ou nocaute. Constantemente, ‘Boi’ é apontado por uma parcela da comunidade do MMA como um bom nome para o futuro do peso-pesado, mas o atleta segue humilde ao comentar sobre o top-15.

“Isso é uma coisa que não me cobro muito. Se eu botar essa pressão nos ombros, posso até sair da estratégia, fazer algo que não devo fazer. O importante para mim é lutar, vencer e dar show. O nocaute é consequência. Se tiver que acontecer, vai acontecer. Não acredito que eu vá para o top-15 depois dessa luta, acho que têm outras pessoas que estão na minha frente, mas há uma chance”, concluiu.

Carlos ‘Boi’, de 25 anos, é um dos lutadores revelados na nova safra do peso-pesado. O brasileiro estreou pelo UFC em julho de 2020, quando foi derrotado por Sergey Spivak, se recuperou ao superar Yorgan De Castro e emplacou a segunda vitória na organização diante de Justin Tafa, em janeiro de 2021. Em sua carreira, o baiano disputou 11 combates, venceu dez, sendo seis por nocaute, e perdeu apenas uma vez.

Mais em Entrevistas