Siga-nos

Entrevistas

Amanda Lemos desafia número oito do ranking e promete “dar trabalho” no peso-palha

Vencedora do duelo verde-amarelo da edição 259 do UFC, seu terceiro triunfo desde que estreou no peso-palha (52 kg), Amanda Lemos já mira desafios maiores no octógono mais famoso do mundo. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight (veja acima ou clique aqui), logo após nocautear a compatriota Livinha Souza, a lutadora paraense se disse pronta para voos maiores e desafiou a americana Michelle Waterson, oitava colocada no ranking da categoria.

À primeira vista, o desafio feito por Amanda Lemos pode parecer descabido, mas com a sua provável entrada no ranking da categoria a partir da próxima atualização semanal da lista, o hipotético duelo contra Waterson se torna mais plausível. O desejo de enfrentar a ex-campeã do Invicta FC também se justifica pela confiança demonstrada pela paraense em seu conhecido poder de nocaute, que a acompanha desde que ainda competia pelo peso-galo (61 kg), duas divisões acima da que atua hoje em dia.

“Eu mostrei que mereço estar entre as top 15. Com certeza, (eu quero) uma top 10 (na próxima luta). Eu gosto de desafios, gosto de ser desafiada. A Michelle Waterson é uma luta boa. Acho que seria muito bom porque ela é muito ágil, se movimenta muito, mas ela não tem a potência que eu tenho”, apontou Amanda, antes de analisar sua vantagem física na categoria.

“Eu me sinto muito forte, me sinto muito bem nessa categoria. Eu vou dar muito trabalho para essa categoria”, concluiu.

Ex-campeã peso-galo do Jungle Fight, Amanda Lemos chegou ao UFC em 2017, credenciada também pelo cartel invicto no MMA profissional. Logo em sua estreia no principal evento do mundo, no entanto, a paraense acabou derrotada por Leslie Smith. Alguns meses depois de seu debute no Ultimate, a atleta da ‘Marajó Brothers’ foi flagrada no exame antidoping e, consequentemente, precisou cumprir dois anos de suspensão longe dos octógonos.

De volta após o longo hiato, Amanda decidiu se testar na divisão dos palhas, descendo duas classes de peso em relação à sua categoria original. Com vitórias seguidas sobre Miranda Granger, Mizuki Inoue e Livinha Souza, respectivamente, a paraense vive sua melhor fase no UFC e deve ganhar uma vaga no top 15 do peso-palha.

Mais em Entrevistas