Siga-nos
exclusivo!

Entrevistas

Vicente Luque minimiza fato de rival não fazer parte do ranking: “É um cara perigoso”

Atual 12º colocado no ranking dos meio-médios (77 kg), Vicente Luque encara Randy Brown neste sábado, em evento do UFC marcado para acontecer em Las Vegas (EUA). Ainda que, no papel, o confronto contra o americano – que não tem seu nome listado na classificação top 15 da divisão – aparentemente não signifique um passo a mais rumo ao topo da categoria, o brasileiro evita menosprezar o adversário e foca no desafio que terá pela frente ao enfrentar um rival dez centímetros mais alto, e que sabe explorar a seu favor a maior envergadura contra oponentes menores.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, Vicente admitiu que o americano não fazia parte de suas primeiras opções ao negociar seu próximo compromisso com o Ultimate, mas, devido às circunstâncias, o duelo contra ele se tornou inevitável. De acordo com o meio-médio, a dificuldade em encontrar um oponente disponível e a vontade de se manter ativo foram fundamentais na decisão de aceitar a peleja contra Brown.

“Eu queria enfrentar alguém que estivesse no ranking. A gente pediu até o Anthony Pettis, mas parece que talvez ele desça de categoria, no momento ele não estava pegando luta. Alguns lutadores já tinham luta marcada e outros não estavam disponíveis para lutar no momento. E eu queria me manter ativo. Um grande ponto favorável que eu tenho é a quantidade de lutas que eu consigo fazer. Isso me faz bem porque a cada luta eu consigo ver o que eu preciso melhorar, e já trabalho para evoluir, para melhorar como lutador”, explicou Vicente, antes de completar.

“Esse mês de agosto para mim era a data ideal, a época ideal para lutar. Então, eu queria achar um adversário. Não consegui um cara ranqueado, mas o Randy Brown já era um cara que eu iria enfrentar no início do ano, e acabou sendo a luta que fazia sentido no momento. Ele é um cara que vem de duas vitórias, é um cara perigoso. As duas vitórias que ele teve recentemente foram boas, contra caras duros. Não é a luta ideal, por ele não ser um lutador ranqueado, mas é uma luta que me acrescenta. Uma vitória sobre um cara que tem crescido na categoria vai me colocar pronto para lutar contra alguém dentro do ranking”, projetou o lutador.

E, ainda que Brown não esteja ranqueado no momento, o atleta da ‘Cerrado MMA’ fez questão de exaltar as qualidades do adversário e reconhecer a dificuldade que terá para anular os pontos fortes do rival, ao mesmo tempo em que tentará impor sua estratégia de luta. Adepto da luta em pé na curta distância, Vicente destacou as habilidades de Randy Brown na trocação, especialmente nos golpes retos, utilizados pelo americano também como forma de evitar a aproximação dos oponentes.

Apesar disso, Vicente se mostrou confiante de que conseguirá fazer suas valências sobreporem o talento físico e técnico do rival. Para isso, o meio-médio pode ter um aliado inusitado: o octógono utilizado nas instalações do UFC Apex – sede do evento -. Menor do que o cage normalmente usado pelo Ultimate, o palco do confronto pode atrapalhar o jogo de movimentação do americano, beneficiando Luque, que tem por característica a agressividade e o combate franco.

“A arma mais forte dele é a altura, ele sabe usar muito bem a distância. Ele tem um boxe muito bom, usa os golpes retos, tanto jab como o direto, para manter essa distância. Tem chutes e joelhadas perigosos também, especialmente o chute frontal e a joelhada. É um desafio e isso é o que me motiva muito para essa luta. É um cara que sabe usar bem essa distância e agora eu tenho que entrar lá e executar a minha estratégia para poder chegar na curta (distância), que é onde eu gosto de lutar, colocando meus golpes. É um jogo complicado, mas que ao mesmo tempo casa, porque ele é da trocação, gosta da luta em pé, então vai me dar aquele espaço”, comentou Vicente, antes de avaliar a influência do octógono menor no andamento do combate.

“O octógono menor faz a luta ser mais ativa, a gente acaba se encontrando mais durante a luta. É difícil o cara fugir muito, se movimentar muito. Então, com certeza isso acaba me favorecendo porque ele tem um estilo de movimentação, ele usa os golpes em linha e tenta movimentar pela parte de fora do octógono. Como o octógono é menor, ele não vai ter muito para onde se movimentar. Vai complicar mais para ele. Acho que pode ser uma vantagem (para mim), mas, ao mesmo tempo, não é algo que eu esteja focando”, concluiu.

Aos 28 anos, Vicente Luque soma 18 vitórias, sendo dez por nocaute, sete derrotas e um empate em sua carreira no MMA profissional. Por sua vez, Randy Brown possui 12 triunfos e três reveses em seu cartel. Em sua última apresentação no octógono do Ultimate, o americano finalizou o brasileiro Warlley Alves no UFC São Paulo, realizado em novembro do ano passado.

Mais em Entrevistas