Siga-nos
Diego Ribas/PxImages

UFC

Sandhagen descarta menosprezar Dillashaw e aposta em melhor versão do rival

No próximo dia 8 de maio, Cory Sandhagen e TJ Dillashaw medirão forças em um combate que pode definir o próximo desafiante ao cinturão peso-galo (61 kg) do Ultimate. Além da importância para o futuro da categoria, a disputa, que será responsável por liderar o card do UFC Vegas 26, também marcará o retorno do ex-campeão aos octógonos após mais de dois anos de ausência, nos quais cumpriu uma longa suspensão aplicada pela USADA (agência americana antidoping) pelo uso de substâncias ilegais de melhora de desempenho.

O longo período afastado das competições levanta a dúvida sobre a forma que TJ apresentará no compromisso do dia 8 de maio. Porém, a possibilidade do ex-campeão ter um rendimento abaixo do esperado não passa pela cabeça de Sandhagen. Ao site ‘MMA Junkie’, o lutador descartou se basear na falta de ritmo do adversário ao se preparar para enfrentar o desafio pela frente.

De acordo com o americano, nem mesmo o fato de ter utilizado o longo hiato para tratar uma lesão no ombro, passando, assim, por duas cirurgias, deve ser levado em consideração na hora de especular sobre o desempenho que Dillashaw terá em seu retorno. Na visão de Sandhagen, a única correlação que poderia influenciar na performance do rival negativamente é o fato de TJ não poder mais utilizar as drogas de aumento de performance que o fizeram ser suspenso pela USADA.

“O cara está fora por quase dois anos e meio agora, então quem sabe o que ele tem feito nesse tempo? Eu sei que ele passou por um par de cirurgias no ombro, que o deixaram de fora por um período, e sei que eu tenho trabalhado muito duro nesses dois anos. Eu não sei de verdade o que ele tem feito, mas, sim, eu acho que essa provavelmente vai ser a narrativa, que TJ provavelmente vai voltar em uma versão não tão boa, mas eu não vou cair nessa narrativa. Vou acreditar na narrativa que vai me manter seguro, que TJ vai voltar melhor”, ponderou Sandhagen, antes de completar.

“Se ele usou EPO ou qualquer tipo de drogas por toda a carreira e agora ele está limpo, então isso 100 por cento vai influenciar. Eu vou contar com isso? Absolutamente não. Mas se esse for o caso, e eu não tenho a mínima ideia se esse é o caso ou não, então, sim, ele provavelmente não vai voltar sendo o mesmo cara (de antes)”, concluiu.

Após sofrer sua primeira derrota no UFC, diante de Aljamain Sterling, atual campeão peso-galo, em junho de 2020, Cory Sandhagen engatou uma sequência positiva de respeito, que o levaram à segunda posição no ranking. Com duas vitórias por nocaute sobre Marlon Moraes e Frankie Edgar, o americano superou dois dos principais nomes da divisão e, com mais um triunfo, desta vez contra TJ Dillashaw, pode garantir a chance de lutar pelo cinturão da categoria em breve.

Mais em UFC