Siga-nos
Diego Ribas/PxImages

UFC

Bisping critica postura do treinador de McGregor após derrota: “Deveria despedi-lo”

Realizado no último sábado (10), em Las Vegas (EUA), o UFC 264 continua repercutindo na comunidade do MMA. No ‘main event’ da atração, Dustin Poirier encerrou a trilogia com Conor McGregor em vantagem ao nocautear o rival no primeiro round, mas os ataques do astro irlandês ao seu carrasco se destacaram mais do que, propriamente, o resultado. No entanto, Michael Bisping detectou um problema do lado de ‘Notorious’ e voltou sua mira para John Kavanagh, treinador do mesmo.

Ao ser entrevistado após a nova derrota de McGregor por nocaute para Poirier, o renomado treinador surpreendeu ao sinalizar que a luta estava equilibrada e que seu atleta encerraria a trilogia no segundo round. Ao tomar conhecimento da declaração de Kavanagh, Bisping discordou veementemente da análise feita pelo mentor de ‘Notorious’.

Ao participar do programa pós-UFC 264 no canal oficial da ‘BT Sport’ no ‘YouTube’, o ex-campeão do peso-médio (84 kg) e atual comentarista criticou a percepção de Kavanagh. De acordo com ‘The Count’, o treinador, que possui uma parceria de longa data com McGregor, prejudicou ‘Notorious’ e, dessa forma, sinalizou que o ex-número um do peso-pena (66 kg) e do peso-leve (70 kg) deveria procurar um novo profissional. O veterano justificou sua posição ao lembrar que o irlandês foi atacado e dominado por Poirier no primeiro round.

“Quando Conor se levantou, sim, é claro que foi um final muito infeliz e, provavelmente, Conor deu sorte, vamos ser honestos. Ele estava no hospital, foi operado e isso não é bom. Mas se tratando de Conor e da base de fãs, tem a narrativa para distorcer a situação, assim como seu treinador fez. Ele disse: ‘oh, eu não vi nada que me preocupasse. Eu sabia que no segundo round venceríamos por nocaute. Nada mais me preocupou’. Se isso for verdade, John Kavanagh, Conor deveria despedi-lo imediatamente. Isso foi muito preocupante”, criticou ‘The Count’, antes de completar.

“Ele estava de costas para o chão e sendo dominado. Foi 10×8 e isso é preocupante. Você não quer ser surrado, mas era isso que estava acontecendo. A quebra de perna foi lamentável, mas, como eu disse, isso dá a McGregor uma desculpa ou um motivo para o fim da luta. Se isso não acontecesse, havia a probabilidade dele dar a volta por cima e acabar com Dustin no segundo round, quando o primeiro deveria ser o melhor de Conor? As chances não eram boas. Não foi um bom desempenho”, concluiu.

A histórica rivalidade entre Conor McGregor e Dustin Poirier se iniciou em 2014. Na primeira luta, disputada no peso-pena, o clima entre os profissionais era hostil e o irlandês nocauteou ‘The Diamond’ em menos de dois minutos. Na revanche, realizada em janeiro de 2021 e válida pelo peso-leve, o americano deu o troco em ‘Notorious’ da mesma forma, em duelo que marcou o respeito entre as partes. Para a trilogia, os ícones do MMA voltaram a se provocar e o integrante da ‘American Top Team’ nocauteou o desafeto no primeiro round.

Mais em UFC