Mohammed Shahid é o presidente do Brave CF – Divulgação/Brave CF

Na última segunda-feira (22), o Brave CF anunciou oficialmente o retorno dos seus eventos. A liga vai para Bucareste (ROM) para sediar duas edições, nos dias 20 e 27 de julho. Sem atividades desde janeiro deste ano, devido à pandemia de coronavírus, a franquia preferiu adotar cautela para realizar shows e deixar todos seus atletas e funcionários em segurança. Com a retomada, o presidente da liga, Mohammed Shahid, adiantou que todos os envolvidos passarão por testes e comentou a volta das competições.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o mandatário da organização afirmou que nunca passou pela sua cabeça adiantar um possível retorno dos eventos motivado pelos shows promovidos pelo UFC com portões fechados desde maio. De acordo com Mohammed, é de responsabilidade dos dirigentes determinar a retomada das competições sem riscos para os envolvidos, mas em comum acordo os órgãos de saúde locais.

“O Brave CF não está aqui para competir com os demais, mas sim para mudar o sistema das artes marciais mistas. Não é um tipo de guerra com os outros, estamos em uma direção completamente diferente. Nós não estamos naquela competição de ‘você é o primeiro, eu sou o segundo’. Não acho que nós, enquanto promotores de MMA, temos o direito de ir lá e dizer que temos a solução. Sempre haverá algum risco, aceite, e eu respeitaria mais se o discurso fosse ‘vamos lá fazer um evento, e se houver algum problema nós vamos cuidar disso’. Tudo bem, mas ir lá e dizer que vai ficar tudo bem e alguns médicos testando, aí já há um problema. Porém, com práticas estabelecidas por entidades de saúde nacionais e internacionais, se essas entidades dizem que está bem, e você, enquanto organizador, segue isso, por que não? Não tenho problema algum com isso”, disse Shahid, antes de adiantar como será o teste de COVID-19.

“Não há dúvida de que todos serão testados múltiplas vezes. Vamos utilizar o procedimento mais eficaz, garantido a segurança de todos. Estamos trabalhando de forma a garantir que todos os eventos que realizaremos em 2020 sejam com múltiplos testes, e havendo algum método ainda mais eficiente no futuro este será o que implementaremos”, concluiu o dirigente da organização.

Sem eventos desde janeiro deste ano, o Brave CF tratou de implementar uma ajuda financeira para todo o seu plantel. Com os lutadores não podendo atuar, sendo que praticamente só recebem quando se apresentam, Mohammed adiantou que a franquia tem uma mentalidade diferente das demais sobre seus funcionários.

“É isso que estamos fazendo desde o início pelos atletas, para todo mundo, garantindo que não somos apenas uma organização que te paga menos e apenas alimenta ligas maiores ou também que paga altos valores para mantê-los por manter. Nós seremos os que vão oferecer uma infraestrutura que os levará a atingir seus sonhos, e essa é a maior ajuda que oferecemos, não só para os atletas, mas para toda o MMA”, finalizou.