Siga-nos
Divulgação

Entrevistas

‘Checco’ enaltece Sonnen fora do personagem: “Ele é incrível, um cara família”

Gabriel ‘Checco’ se prepara para um capítulo inusitado em sua carreira. Recentemente, o brasileiro, especialista em jiu-jitsu, assinou com o ‘Gamebred Fighting Championship’, organização de MMA sem luvas de Jorge Masvidal, mas o acordo não o impede de seguir em atividade por outras empresas. Dessa forma, o atleta poderá dar continuidade ao seu trabalho no ‘Submission Underground’, companhia de Chael Sonnen.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag. Fight, ‘Checco’ revelou que não conhece Masvidal pessoalmente, porém detalhou sua relação com Sonnen. O atleta fez questão de ressaltar que o veterano é uma pessoa totalmente diferente do personagem que criou no MMA, principalmente, em seus áureos tempos de ‘trash talk’ no UFC. Na época, o americano se tornou inimigo número um do Brasil por conta de seus ataques ao país e pela rivalidade com ícones do esporte, como Anderson Silva, Vitor Belfort, Wanderlei Silva, entre outros.

“Minha relação com o Sonnen é muito boa, de amizade. Tenho o celular pessoa dele, sempre estamos conversando. Ele é incrível. Ele ensinou o McGregor a ser o cara que fala para vender. Ele é gente boa, um cara família, um grande empresário. Sempre conversamos. Ele sabe entreter e trata muito bem os atletas. Quando quero participar de um evento, mando mensagem para ele”, contou o brasileiro.

E, ao que parece, a boa relação de ‘Checco’ com Sonnen também despertou seu ‘trash talk’. Veterano no ‘Submission Underground’, organização que aposta em lutas de grappling, o brasileiro, especialista em jiu-jitsu, cravou que os atletas de MMA que se aventuram na companhia não são capazes de detê-lo no solo. Tanto que o profissional finalizou Austin Vanderford, promessa do Bellator e invicto nas artes marciais mistas , Danilo Marques, representante do UFC, e o veterano Jake Ellenberger.

“Sempre peço algum lutador de MMA, porque quero provar que dentro do MMA não tem ninguém melhor do que eu na parte do grappling. É por isso que sempre desafio lutadores do UFC, do Bellator, para mostrar que falta muito jiu-jitsu para eles. O jiu-jitsu não é explorado como deveria ser no MMA”, concluiu.

Mais em Entrevistas