Siga-nos

Entrevistas

Algoz de Adesanya, ‘Poatan’ minimiza rivalidade e destaca foco no título do UFC

Neste sábado (6), Alex ‘Poatan’ Pereira faz sua estreia no UFC ao encarar o grego Andreas Michailidis, pelo card preliminar da edição de número 268, em Nova York (EUA). O ex-kickboxer – que chegou a ostentar dois títulos em divisões diferentes, simultaneamente, no ‘Glory’, evento de maior proeminência da modalidade – chega à principal organização de MMA cercado de expectativa, especialmente por ter em seu currículo duas vitórias sobre o nigeriano Israel Adesanya, atual soberano da categoria dos médios (84 kg) do Ultimate.

Porém, apesar de boa parte da comunidade das lutas demonstrar interesse e especular sobre um possível novo confronto entre os craques da trocação, desta vez no MMA, ‘Poatan’ não parece compartilhar do mesmo sentimento. Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag Fight (veja acima ou clique aqui), o lutador paulista minimizou o clima de rivalidade com Adesanya e ressaltou que seu objetivo ao iniciar sua trajetória no UFC é chegar ao título da organização.

“Eu não penso em Adesanya. Mesmo estando dentro da organização agora. Amanhã, de repente, ele nem está com o cinturão. Para mim, qual diferença faz lutar com o Adesanya ou não? Eu não tenho que provar nada para ele. Eu quando chego no jogo, eu quero o topo, eu quero o cinturão. E se amanhã ele não estiver com o cinturão, para mim não interessa lutar com ele”, afirmou ‘Poatan’.

Ex-campeão peso-médio e meio-pesado do ‘Glory’, Alex ‘Poatan’ optou por deixar a carreira de sucesso no kickboxing e focar apenas no MMA, onde possui um cartel ainda tímido de três vitórias e uma derrota. O ‘striker’ inicia sua trajetória no Ultimate neste sábado, ao encarar o lutador grego Andreas Michailidis, no card preliminar do UFC 268, em Nova York.

Como kickboxer, além dos títulos conquistados, ‘Poatan’ chamou a atenção por vencer o atual campeão peso-médio do UFC Israel Adesanya em duas ocasiões. Na primeira, em 2016, o brasileiro superou o nigeriano na decisão unânime dos juízes. Já na revanche, um ano depois, o paulista não deixou a peleja ser decidida na pontuação e aplicou um nocaute espetacular no rival, utilizando de seu conhecido gancho de esquerda, com o qual já fez diversas vítimas nos esportes de combate.

Mais em Entrevistas