Demian Maia foi superado por ‘Durinho’ no UFC Brasília – Leandro Bernardes/PxImages

Com a vitória sobre Tyron Woodley no último sábado (30), na luta principal do UFC Las Vegas, Gilbert ‘Durinho’ se tornou o primeiro atleta do plantel da liga a competir em um evento sem a presença do público, medida adotada em razão da pandemia do novo coronavírus. As experiências, no entanto, foram bastante diferentes, de acordo com o meio-médio (77 kg), que já havia superado Demian Maia em março deste ano, na edição de Brasília, onde teve início a sequência de shows com os portões fechados aos fãs.

Em entrevista ao podcast ‘Ag Fight MMA‘ (veja abaixo ou clique aqui), ‘Durinho’ comparou os dois momentos e admitiu que ficou mais nervoso na primeira experiência, em Brasília. Enquanto exaltou o papel de seu córner, em especial do companheiro de treinos e também lutador do UFC Vicente Luque, no triunfo sobre Tyron Woodley, o faixa-preta creditou aos treinadores de Demian Maia o momento de virada na luta, que o ajudou a vencer o compatriota em março deste ano.

“Na luta contra o Demian (Maia), eu fiquei muito mais nervoso do que o normal. Eu acho que é importante você ficar nervoso, se você quer ganhar uma luta, você fica nervoso. Só que eu tenho uns gatilhos mentais, que eu trabalho com a minha psicóloga, Luciana Castelo Branco, onde eu sei quando eu estou nervoso, mas controlado, e onde eu consigo ver quando está saindo do controle. A gente tem umas técnicas para voltar. Eu tive que usar isso contra o Demian porque eu fiquei muito mais nervoso por causa do silêncio (na arena). Mas quando eu entro na luta, eu entro em uma zona mental, que é quando eu tenho minhas melhores performances. Não passa nada na minha mente, eu só consigo focar no adversário. A impressão que me dá é que eu estou vendo o cara em câmera lenta, mas na verdade são os sentidos que estão mais aguçados”, revelou ‘Durinho’, antes de continuar.

“Contra o Demian, eu escutei os córners dele falando tudo, e eles se desesperaram. Eles falaram tanto para o Demian: ‘Vai pegar ele agora’. Eu lembro deles falando, principalmente o manager dele, que eu acho que nem sabe tanta técnica, nunca lutou, não é um treinador, não é um faixa-preta, mas conhece o jogo do Demian. Ele quis falar tanto, que ele frustrou o Demian, ele me ajudou a frustrar o Demian, porque ele falava: ‘Demian, agora chegou nas costas dele, agora ele nunca sentiu isso’. Deu vontade de rir, porque eu treinei com campeões mundiais que me amassavam o treino inteiro e eu conseguia sair. Então, ele começou a gritar: ‘Agora ele não vai sair. Agora ele vai sentir a pressão’. Depois, quando eu saí, ele ficou calado, o córner dele ficou calado, e até ele entender que eu tinha saído da posição, eu já tinha entrado na minha zona. Eu sabia que ia jogar um golpe por cima e que iria entrar”, finalizou o lutador natural de Niterói (RJ).

Após cair em uma posição desconfortável no chão contra um dos maiores representantes do jiu-jitsu no MMA de todos os tempos, Gilbert ‘Durinho’ conseguiu se recuperar e nocautear o compatriota Demian Maia ainda no primeiro round, no co-main event do UFC Brasília. Este resultado somado ao triunfo sobre o ex-campeão dos meio-médios Tyron Woodley, no último sábado, fez o niteroiense alcançar a primeira posição no ranking da categoria e pleitear uma disputa pelo título para o futuro próximo.